Conectar mundos distantes: os oficiais da escrita nos impérios ibéricos

Coord.: Roberta Stumpf y Guillaume Gaudin

Taller: 9 de septiembre de 2016 en la Universidade Nova de Lisboa-CHAM

Los ministros de papeles tiveram um papel essencial ao funcionamento das práticas administrativas nas metrópoles ibéricas e nos seus respectivos territórios ultramarinos. Graças à atuação destes escrivães, tabeliães e guarda-livros muitas informações percorreram longas distâncias e foram arquivadas e preservadas em diferentes terras. Da mesma forma, a palavra escrita, registrada localmente, chegava aos centros políticos tornando um pouco mais viável a projectada unidade imperial.

Estes oficiais eram reconhecidos pela relevância de suas funções e pela posse de saberes estratégicos. No entanto, na hierarquia administrativa das monarquias ibéricas situavam-se nos substratos intermédios e subalternos. Da mesma forma, não eram distinguidos socialmente como parcela do topo das hierarquias estamentais então vigentes. O estudo dos ministros de papeles, nestas duas vertentes, social e administrativa, esclarece muitos aspectos das monarquias portuguesa e castelhana que, à sua maneira, precisavam vencer, paradoxalmente, o que as engrandecia: a distância e a enorme amplidão que caracterizava cada um de seus Impérios.